Ósculos caninos

As cenas descritas neste post aconteceram durante um passeio vespertino em um shopping center de Belo Horizonte que aceita a frequência livre de cães (devidamente presos à guia e acompanhados de donos, obviamente).  Uma ideia adorável!

Estávamos passeando sem compromisso, já de barriga cheia após um excelente almoço.  Até que vimos um casal idoso conversando com alguém.  Ou melhor, não vimos, a princípio, o casal nem o sujeito com quem eles conversavam.  Vimos, na verdade, o golden retriever que acompanhava o casal idoso.  Enorme, muito bonito, e calmo – como todo golden retrieverFelícia o viu também.  E apontou logo para ele: Até!  Até!!!

O burburinho de pessoas que se formou em volta do cachorro a impediu de chegar perto logo de primeira.  Ela também ficou um pouco envergonhada.  Cheguei perto, abaixei-me e chamei ambos para o encontro.  Primeiro a Felícia, que se posicionou entre as minhas pernas.  Depois, o cachorro se interessou por ela.  Inácio era o nome dele, vim a saber depois.  Um nome muito simpático, diga-se de passagem, assim como o dono.  Eu adorei.

Num instante, Inácio cheirou o joelho da Felícia, subiu para a barriga, o peito e, sem pestanejar, tascou-lhe duas lambidas seguidas na cara, daquelas que vão desde o pescoço até a ponta do fio do cabelo, muito além do fim da testa.  Eu queria parar de rir, mas não conseguia.  Ela não teve tempo de reagir.  Ficou estarrecida, em choque.  Ela estava se preparando para abraçá-lo e foi surpreendida com aquela ação rápida.  Ele voltou a se interessar pelos donos – que, a esta altura, pediam milhões de desculpas pelo ocorrido, sem nenhuma razão para tanto.  Ela não sabia se limpava a cara ou corria para consumar o abraço frustrado.  Na indecisão, acabou me abraçando.

Não chorou, não reclamou, tampouco ficou feliz.  Acho que até agora ela não entendeu o que aconteceu.

Anúncios

3 Comments

Add yours →

  1. E ainda bem que o Inácio ficou só no beijo. Ele podia dar um safanão nela (sem querer) e ela ficaria assustada, que nem um valentão que eu conheço que ficou meses com medo de ser derrubado de novo por um cachorro empolgado.

    Se ele estivesse empolgado, eu não teria permitido a aproximação.

  2. Mas a Teka e a Hannah não beijam ela assim não? Ou ela se assustou por ser um estranho?

    Ela assustou porque não esperava.

Você quer comentar? Clique aqui!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: