Carta ao Vini

Rio de Janeiro, 24 de novembro de 2013

Meu caro amigo,

Faz muito tempo que a gente não se vê, mas eu gosto de você.  Acho que desde aquele almoço no OsBar.  Aquele almoço que a gente combinou para comer coelho, porque, segundo você, toda quinta-feira tem coelho no OsBar.  Não tinha, era mentira sua, mas eu gosto de você.

Mentira como várias outras que você sempre contou e ainda, espero, por muitos anos vai contar.  Tô para ver alguém que goste de mentir como você – e também tenha imaginação para tantas mentiras, e também as conte com tanta eloquência e competência -, mas eu gosto de você.  Quando eu paro para lembrar das suas cascatas, não consigo ficar indiferente.  Quem pode acreditar em caôs tão fortes e virulentos como os que você conta, a cada reencontro?  E é por isso, também, que eu gosto de você.

Você não vai a nenhuma festa, fura todos os encontros, deixa a galera na mão, mas eu gosto de você.  Você faz aniversário, não por acaso, na data mais gay do ano – vinte e quatro do onze -, mas eu gosto de você.  Você só faz enrolar a Camila, mas eu gosto de você.  Você, quando bebe, vira o cara mais chato do universo (ou o segundo mais chato, porque o Márcio te supera), mas eu gosto de você.

Meu amigo, hoje eu vou retribuir a você um pouquinho de tudo que você representa: vou lhe contar uma mentira e recusar o convite – feito literalmente em cima da hora – para comemorar o seu aniversário.  A mentira não vai com a mesma convicção nem com a mesma eloquência, mas ainda assim é uma mentirinha.  Vou te enrolar – ou, ao menos, tentar.  Se você não consegue me enganar, por que eu pretenderia conseguir enganá-lo?  Desejar-lhe-ei um Feliz Aniversário – este sim, sincero, do fundo do coração – e deixaremos o encontro para a próxima – quem sabe outro coelho no OsBar, numa quinta-feira dessas da vida?  “Vamos marcar!“, diremos ao final do telefonema.  E nada marcaremos.  Porque é mentira, nós dois sabemos.  Mas, nem mesmo por isso, eu gosto menos de você.

Seja feliz, case, seja pai.  Já passou da hora.

Leandro.

Anúncios

One Comment

Add yours →

  1. Pô, Vini. Depois dessa eu sairia de fininho e tomaria um rumo na vida. E feliz aniversário.

    Por essas e por outras que o apelido dele é Vini Vacilão. Mas eu gosto dele.

Você quer comentar? Clique aqui!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: