Dicção

Ah, as descobertas, os progressos…  Essa fantástica vida em franco avanço.

Felícia fala pelos cotovelos.  Fala muito em quantidade e fala bem.  Quando não fala, canta.  Fala até dormindo.  Fala muito mesmo.  Enche o saco, às vezes.  Quando quer perguntar alguma coisa, repete a pergunta inúmeras vezes, independentemente de ter ou não resposta positiva.  É um negócio tão marcante que os mais chegados já brincam, sempre que alguém pergunta alguma coisa no meio de uma conversa, repetindo tal pergunta incessantemente.

Talvez por isso a dicção dela seja tão boa.  De tanto exercitar, ela acaba falando com uma qualidade que qualquer um é capaz de entender.  Por exemplo: semana retrasada meu chefe me ligou.  Eu atendi o telefone no meio de uma contenda com a Felícia, que eu pensava já estar resolvida.  Enquanto eu falava com o chefe (e o chefe do chefe que, do outro lado da linha, estavam em viva-voz), ela botou a boca no mundo – a ponto do chefe do chefe interromper a conversa e me dizer: “essa criança quer água, dá água para ela!“.  Bem, ela não queria apenas água.  Ela queria água no copo do sapinho – que eu, àquela altura, não sabia que existia, embora já devesse saber.

Cebolinha
Cebolinha

A dicção é boa mas não é perfeita, ainda.  E isso faz com que ouvi-la seja ainda mais gostoso.  Dá para perceber a evolução.  Se antes ela falava “eu quéo“, hoje ela já fala “eu quelo“.  E outras coisas mais complexas, ela também já arrisca falar.  Erra, é verdade, mas se consegue fazer entender.  Palavras que têm sílabas seguidas iniciadas com “c” e “p” ela costuma inverter: ao invés de falar “companhia“, ela fala “pocania“; ao invés de falar “campainha“, ela fala “pancainha“; ao invés de falar “capacete“, ela fala “pacacete“.

O próximo passo, imagino, seja aprender a falar os fonemas da letra “r”, que ela ainda não consegue pronunciar.  Nem o “r” do início das palavras ou do dígrafo “rr”, nem o “r” entre consoantes, que ela substitui sempre pelo “l” – tal qual o Cebolinha.  Questão de tempo.  Possivelmente, pouco tempo.

Anúncios

2 Comments

Add yours →

  1. Por que será que ela fala tão incessantemente? rs… E viva a Bisa!!! 🙂

    Eu também falava muito assim nessa idade, ao que consta.

  2. Ouvir as crianças aprendendo a falar é um prazer. Daqui a pouco, ela vai começar a empregar a entonação certa das palavras, de acordo com a circunstância, e aí vai ser mais legal ainda!

    O tal do “não gostei!” já foi com entonação. As perguntas em sequência também são.

Você quer comentar? Clique aqui!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: