A Indecisa de Maricá

A história a seguir se passou no Spoleto de Maricá.  Eu estava na fila, presenciei os fatos e dou testemunho de que são irritantemente verdadeiros.

Eu não estava ligado no assunto.  Na minha frente, um grupo de cinco amigas (que não deviam ter mais que vinte anos cada uma), trajadas sumariamente, como é normal em um destino turístico praiano no calor do carnaval, chamou a minha atenção:

– Cara, ninguém merece a Milena!  A gente não vai sair daqui nunca.
– Quem teve a ideia de trazer a Milena para o Spoleto?  Ela não sabe o que quer?
– Já viu aquele filme dA Porta dos Fundos?  É a Milena.

Depois de tamanha propaganda, eu tive que prestar atenção na pérola.  Nesse momento, ela estava começando a ser atendida.

– Qual é a massa?
– Hmmm, deixa eu ver…  Tem Gnochi?
– Não, não tem.
– Então não sei…  Tem Capeletti?
– De que?
– Não sei…
– Só tem de carne.
– Então não…

A amiga atrás dela protestou, para alegria de todos que estavam na fila, inclusive eu.

– Escolhe logo qualquer uma: Spaghetti, Talharim…
– Tá bom, Talharim.  Me dá Talharim.
– Manteiga ou Azeite?
– Manteiga.  Não, não, não!  Azeite.  Isso, azeite.
– Quais os ingredientes?
– Não!  Pode ser manteiga?
– A senhora já escolheu o azeite.
– Mas eu queria manteiga…

A cozinheira, muito solícita, trocou de panela e recomeçou o procedimento.

– Hmmm, não sei…

E demorou muito, entre várias idas e vindas, até ela decidir os oito ingredientes.  E o pior é que ela parecia conhecer bem o sistema de atendimento do restaurante.  Ela não conseguia se decidir.  Foi irritante, mas a cozinheira fez muito bem o seu paciente papel.

– Molho?
– Eu queria um molho que tivesse carne mas que não fosse Bolonhesa…
– Não temos.
– O que tem?
– Quatro queijos, branco, sugo e fungui.
– Ah, então eu vou querer colocar tomate e o molho quatro queijos.
– Não é possível, a senhora já escolheu seus oito ingredientes.  E não temos tomate, só tomate seco.
– Mas eu queria carne…

A atendente deu de ombros para ela.  Não disse, mas quis dizer “só lamento”.

– Ah, e agora?  Pode ser tomate seco?

A cozinheira, vendo que daquele mato o cachorro não sairia tão facilmente, cedeu.  Voltou, colocou o tomate seco e o molho quatro queijos.  Depois, para escolher a bebida – estavam todas à mostra na geladeira de porta de vidro -, novo drama.  Interminável.  Foram uns dez minutos de espera, só pela madame, enquanto as amigas repetiam:

– Cara, é sempre assim!

E a única coisa que eu consegui pensar – alto o suficiente para as amigas ouvirem – foi:

– Se deixar essa garota comigo uma semana ela vai chorar tanto…
– Ela precisa mesmo.

Anúncios

3 Comments

Add yours →

  1. O título me lembrou Nelson Rodrigues, que adoro! Se ela ficasse com você uma semana, chorava. Com a minha mãe, dois dias seriam suficientes! Adorei o lay out, tempão que não vinha aqui…!

    Quem é vivo sempre aparece. E o título foi, sim, inspirado em Nelson Rodrigues.

  2. Adorei! bjs

    Adorou porque você não estava com fome na fila.

  3. Olha, considerando que você estava em Maricá, quase deu vontade de dizer bem feito.

    No carnaval…

Você quer comentar? Clique aqui!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: