A que ponto chegamos

Dia desses recebi um elogio de um(a) leitor(a) – eu não me conformo com esse negócio de usar “x” para indefinir gênero: “parabéns! está escrevendo todo dia!“.  De lá para cá, sumi novamente.  Não se pode elogiar.

*****

Hoje meu mais novo sobrinho comemora 7 meses de vida.  Um fofucho, carinha redonda e feliz, que me reaviva memórias que eu sequer pensava que tinha.  Olhando para ele, é impossível não lembrar da minha própria infância com a mãe dele, minha prima.  Por conta disso, e porque não podemos nos reunir – muito mais por causa da distância da residência dela do que pelo isolamento social desejável em tempos de pandemia -, minha prima resolveu fazer uma reunião virtual da família.

– Você acha melhor fazer pelo Zoom ou pelo Google Meet?, ela perguntou ontem.
– Acho melhor pelo Zoom.
– Eu também…

Felícia, sempre de butuca em todas as conversas, saiu correndo para dar seu palpite:

– Faz pelo Google Meet que dá para gravar!

Minha prima ouviu e se animou.  Gravar a reunião para a posteridade é um argumento tremendamente sedutor. Que mãe não quer gravar essas lembranças? Ficou combinado assim, que seria pelo Google Meet.

*****

Hoje pintou um recado no meu telefone:

Recado para a Felícia: a Tia precisa que você me ensine como gravar o encontro pelo Google Meet…

– Faz uma reunião só eu e você, manda o link aqui para o meu pai, para a gente aprender a gravar.

Fizeram a reunião e eu fui tomar um banho pensando: a que ponto chegamos, uma fedelha de sete anos de idade dando lições de informática em dois marmanjos com mais de quarenta que já usam computador há pelo menos 25 anos.

*****

Não rolou de gravar o evento, mas ele aconteceu.  Foi divertido, embora esses encontros virtuais multitudinários sejam verdadeiros tiroteios de informação.  Ninguém dá muita atenção para ninguém.  Dependi disso tudo para que voltar a escrever.  Novamente, a que ponto chegamos.

2 Comments

  1. Pelo menos ela já conhece o argumento do convencimento.
    A reunião foi mesmo pelo Google Meet.
    Só que a tia não aprendeu muito com a aula da Felicia. 🤣

    Acho que ela não era habilitada a gravar.

  2. Primo, amei o texto!! muito especial rever nossa infância pelos nossos filhos…hoje em dia, a prima mais velha aqui tem aprendido muito com você … e estou devendo dever-de-casa para Felícia…rs!

    Que bom que você gostou!

Você quer comentar? Clique aqui!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s